segunda-feira, 22 de abril de 2013

UM AUTÊNTICO QUALQUER

Não sou dileto de convencionalismos. Passo longe. Mas isso não é motivo pra vaidade. Eu não teria problema nenhum, se por acaso, a minha vida, inventada por mim, fosse consoante às convenções sociais. Isso porque aquilo que a gente cria naturalmente, bem pode já existir. O importante é ser feliz com que se gosta, o que se faz e o que procura - já disse algum filósofo com palavras mais rebuscadas. E eu concordo: essa fobia de se ver afinado com alguns padrões sociais, e fugir deles o tempo todo, marcando oposição, é receita para te jogar sempre no extremo, quero dizer, na extremidade de si mesmo; 'escantear-se'. 
Outro dia, um colega de trabalho me perguntou-afirmando se eu era 'do contra'. Achei engraçado! E lhe respondi: não sou do contra, nunca fui. Isto é o que sou. Não busco e nem me esforço para ser diferente. Simplesmente sou. O que vê é resultado de minhas inclinações pessoais. Ora, se a sociedade, de repente, aderisse às minhas preferências, então, elas é que seriam convenções, não é mesmo?! Nesse caso, deveria eu abdicar de meus gostos para não ser 'igual'? Óbvio que não. Isso chega a ser paranoico!
A busca pelo diferencial não me atrai. Penso que deve provocar um desgaste grande e desnecessário. Sabe aquela frase de ordem que diz "Faça a diferença"?, acho uma absoluta bobagem, uma hipocrisia, coisa de crente bobo. Não me interessa estar na vanguarda das ações do mundo, tampouco me opor ao fluxo social. Quero apenas ir sendo e vivendo no meu próprio tom e ritmo.

sábado, 21 de janeiro de 2012

A ARTE DE ILUMINAR


Tenho pensado que escritores como Clarice Lispector, Fernando Pessoa, Friedrich Nietzsche, Guimarães Rosa, Jorge Luis Borges, todos são iluminados. Porque iluminação não é lá uma coisa extraordinária, é apenas a constatação que somos isto: uma consciência que não sabe o que é nem pode descrever-se. É impossível nomear o que somos e pronto! Temos consciência disso (sem trocadilho). Mas alguns são capazes de transformar esse grande vazio em Arte: na letra, no pincel, nas formas, nos sons, no movimento, etc., como meio de aplacar a própria dor existencial. Continuamente nos identificamos com o Eu, onde nasce essa dor insolúvel. Não podemos nos livrar da dor, mas conscientizar-se dela é um caminho para a elevação, o desprendimento. Então, os grandes artistas captando essa enorme verdade, fazem-se instrumentos desta, aproximam-se de dizer artisticamente o indizível. O escritor não pode conceituar o Mistério, porque conceituá-lo o mataria, mas com talento, consegue-se apontar para ele e fazer o leitor viajar junto, contemplando a Beleza, o Imensurável, o Incognoscível. Ali, nos silêncios dos finais de frase encontra-se a pausa, a mudez, o divinal. Logo depois se prossegue. Porém, um só instante dessa lucidez e constatação é suficiente para entender para sempre o que É.
Diz-se que a iluminação pode ser alcançada partindo de um pequeno frame em que se toca o Algo, e daí seguir-se ampliando esse estado de presença consciente. Que me desculpem os espiritualistas, sou da opinião de que o iluminado não pode se fazer. Ele é feito. Apenas isso: feito para iluminar. Àqueles que, como eu, não são feitos, resta-nos ficar à margem da iluminação – o que não é ruim. Porque se se aceita a condição de não-iluminado, está rompido o paradoxo. Embora, nosso ego seja matreiro, nossa mente, traiçoeira – arruma modos de nos enredar de novo, de gerar o conflito interno. Minha vigilância consiste em ficar próximo a esses mestres da grande Arte.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

DIÁLOGO A PARTIR DA CONSCIÊNCIA

#
o que acha, amigo, desta possibilidade
da consciência poder existir fora do corpo
ainda em vida?
@
uma maravilha!
quereria 'eu' poder...
mas por enquanto só posso falar nela como 'possibilidade'
visto que ainda não é factual
exceto para aqueles que dizem ter experimentado...
ou como diria Clarice: sentir só é comparável a sentir...
não há descrição que apreenda tal noção...
então, o que resta é a mudez sobre o 'seu' fenômeno pessoal..
#
é isso mesmo!
bem, agora você conhece alguém que experimentou:
o Tiago
chama-se ‘viagem astral’ dentro do esoterismo
uma forma de expandir a consciência com novas percepções
@
eu conheço quem experimentou, só não SEI
#
sim, é só para alguns também
mas não vejo mais como uma experiência, essência
ou coisa importante para saber quem somos
e termos plenitude na vida
tudo são níveis e níveis de conscientização
só isso:
quando se atinge um ponto
há uma mutação
@
isso é muito bom... esse movimento, essa mudança
(não importa por quais pontes)
essa 'grande travessia', nas palavras de Pessoa...
#
acho que este é um momento crucial para a humanidade
para uma mudança radical de consciência.
@
concordo. só não sei se virá tão logo...

já percebi em nossas conversas que você cita muito o iluminado Jesus
eu não
será que dou preferência a outros..
por conta de minha passagem traumática 
pela religião construída em torno do Cristo?!

(e pensar que o Ribeiro me acusou de não possuir pensamentos próprios
porque insiro alguns mestres na minha fala...
tão ingênuo que é, não se deu conta de que reproduz
quase que fidedignamente uma idéia, dita 'pura'
fixada há mais de 2 milênios...

o meu, é exatamente isso, essa colcha de retalhos
fragmentos de um aqui e outro ali
sim, eu li Moisés, li Paulo e João, 
mas também li Kant, Spinoza, Nietszche e muitos outros
ele, pelo contrário, nunca dialogou com pensadores 
que divergem de seus paradigmas religiosos...

detalhe: não li Cristo - este nada escreveu
(enquanto o Ribeiro acredita ter assimilado toda a essência divina
pelo que ele julga ser a própria Palavra de Deus)
#
já pensei na possibilidade de seu trauma com o questão bíblia/cristandade
ainda considero a bíblia um livro misterioso
a limitação do Ribeiro é evidente
mas acredito que a conscientização progressiva
inclusive influenciada pelos teus diálogos
deixa algo que gera reflexão posterior
@
parece ser real não é?! mas eu estou parando com isso
inclusive, o que acabei de te relatar sobre o Ribeiro
foi um comentário que ele fez em um dos meus posts
no meu blog pessoal
mas eu não publiquei e nem repliquei
para não causar...
#
uma boa escolha
o gasto de energia 
seria incômodo
eu fujo muito destas discussões hoje em dia
mas já fui viciado
defensor agressivo de meus pontos de vista
até perceber que nada sei...
@
e eu tenho que parar com essa mania de querer
implantar a dúvida em outras pessoas que estão em outros estágios...
eu sei que pra mim a dúvida é uma companheira, amiga
aprendi a conviver (bem) com ela...
ela me move, me motiva, me estimula o tempo todo...
a dúvida é uma pepita de ouro que encontrei dentro de mim
no entanto, para outros ela é a falta do assoalho de suas vidas...
então, inventa-se um, perfeitamente sólido e rígido para se sustentarem
pois o medo de se perder no abismo profundo é aterrorizante
#
com certeza é necessário saber detectar e respeitar
o estágio de conscientização de cada um
tem gente que tem temor a dúvida
é necessário dar tempo às pessoas para que as coisas fermentem
para quem acredita em reencarnação, isso pode demorar até várias vidas
a dúvida vem naturalmente e é irrecusável quando a gente está preparado
de forma que não se pode negá-la
aí vem a transformação
@
o grande salto... no vazio
que para muitos, pode assemelhar-se à loucura
#
Nietzsche, acredito, fez o salto
só não sei se se perdeu
e realmente enlouqueceu
ou morreu mais lúcido que todos nós
"É necessário saber equilibrar o terror de ser homem
com a maravilha de ser homem"
(Don Juan, mestre xamã de Carlos Castaneda)

Estava lendo Eckhart ontem e ele disse que 
quem ‘experiencia’ a experiência não é o sujeito
(que também é objeto, conteúdo)
Quem ‘experiencia’ a experiência é a consciência
é ela que possibilita existir o sujeito, os pensamentos
sendo nossa verdadeira realidade adormecida 
pelo nosso infindável diálogo interno.
O que acha?
@
magnífica proposição! 
a citação também é pontual
mas não entendi quem seria o autor...
#
O mestre xamã do Carlos Castaneda se chamava Juan
Como era respeitado na região, o chamavan de Don Juan
Nada a ver com o famigerado personagem da Literatura.

com relação à proposição de Eckhart
depois ele próprio se pergunta: então o que é consciencia?
e ele responde: impossível responder a isso
pode-se conceituar
mas não será a coisa em si
a consciência só pode ser presenciada
percebida
só pode SER mesmo
@
então a citação é um fragmento da voz do personagem
supostamente o alterego do autor
#
talvez
no caso do Castaneda
porque ninguém sabe se seus livros são ficcionais ou não
no entanto, ele relata como experiências reais

vou almoçar daqui a pouco...
@
ok, meu caro
se calhar, a gente senta à sombra, lá na grama outra vez...

sábado, 20 de agosto de 2011

ONDE ESTÁ A SUA FÉ?

O mundo está caótico é o que dizem. Esse discurso, muitas vezes, só serve para propagar um sentimento de lástima e de desesperança. E vejo as pessoas perguntando a si mesmas se, em meio a tanto mal, desordem e corrupção, ainda vale a pena ser íntegro e honesto. Vejo gente dizer-se tão decepcionada com seus pares que preferem ter maior apreço ao 'fazer e ser' dos bichos de estimação que dos humanos. Postura um tanto quanto animalesca pro meu gosto! Mas, sempre aparece um e outro sujeito com a fácil solução: Aceita o Salvador, amigo! Esse cheios-de-fé, resignados, projetam-se na contemplação de um Novo Lar, onde tudo será perfeito e lindo para sempre. Afinal, todos os males já estavam previstos, e são o prenúncio do fim-dos-tempos, é o que dizem; - Negam a própria existência em função de uma outra, ancorada no porvir – niilistas modernos que são... Há também os que querem fazer com que tudo retorne aos tempos antigos.  - Antigamente é que era bom.  - O mundo de hoje está perdido! São pessoas que repudiam tudo que é novo, diferente ou reflexivo. Apontam o dedo aos pecadores, e logo se colocam num patamar elevado e irrepreensível, já que seriam os únicos a, ainda, guardarem os melhores valores: antigos e sagrados. Acreditam que o mundo está pervertido; a promiscuidade tem se alastrado; as mulheres não se dão mais o valor; a homossexualidade se multiplica dia a dia. Mas nunca pararam pra pensar que prostitutas ou homossexuais existem desde que o mundo é mundo. São pessoas também; bem ou mal, são as suas condições. Outrora e agora. Vamos apedrejá-los? queimá-los na fogueira? depreciá-los? apenas expurgá-los do céu? Quanta bobagem!!! Novamente, a Religião incrustada nessa mesquinhez conceitual e atitudinal.
Precisamos pensar mais no mundo de hoje, tal como ele é; do modo como se apresenta. O pensamento de 2 e 4 mil anos atrás não pode transformar a nossa realidade. Não adianta querer retorcer o mundo para que ele caiba dentro de conceitos e princípios arcaicos que um dia foram compulsoriamente agrupados num livro - e que, em algum momento pode até ter sido útil. Nós precisamos nos repensar como sujeitos históricos e co-responsáveis por melhorar o mundo atual, se é que realmente ele anda de mal a pior. Repetir jargões e pessimismo não nos levará a lugar algum. Não podemos voltar no tempo, mas podemos prosseguir, provocar mudanças a partir da reflexão sobre  que tipo de pessoas queremos ser, ou, em que espécie de mundo queremos viver. Quem considera que só há sentido nessa vida se ela estiver assentada na ideia de uma vida futura, metafísica, paradisíaca, é porque já entregou os pontos, perdeu a fé na vida real , nos homens e no Amor. São sujeitos que só pensam na magnífica sobrevivência do seu 'eu' em um lugar além-de-aqui, um paraíso preparado para os 'santos'. Mas, este mundo é dos vivos, dos que aqui obtém o seu sentido de viver, dos que entendem a realidade como uma criação coletiva e partilhada: ação, reação, consequência, reformulação. Isto tudo é o espaço daqueles que aqui se nutrem do prazer e da dor de serem vítimas e algozes do devir.