terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O QUE FEZ A RELIGIÃO?

Em algum momento do percurso da história da humanidade, o homem se viu apavorado e frágil diante do mundo ao seu redor, bem como diante de tudo aquilo que não podia ter entendimento. Em busca de sua essência e felicidade, a mente humana criou muitos artifícios de interpretação do mundo e seus fenômenos. Entre eles podemos citar os mitos dos antigos e os oráculos gregos. Desde aquele tempo, houve quem tomasse à frente a tarefa de "manifestar a verdade", sob usufruto da superioridade que tinha, ou dizia ter, mas que, por ignorância da maioria, era simplesmente acatada, sem nenhum questionamento. No caso, a verdade era manipulada pelos sacerdotes que interpretavam as mensagens dos "Espíritos Superiores". Foi, provavelmente nesse período, no qual o desconhecido provocava tamanho pavor, que o homem ergueu "divindades" para si, e a elas dedicaram  práticas exclusivas, que hipoteticamente, agradavam ou acalmavam a ira desses "deuses", circunstâncias  pelas quais o bem ou mal  sobreviriam ao povo. Esses ritos foram, então, passando de pai para filho, mas também, sofreram muitas modificações ao longo do tempo, devido às interações dos povos e a movimentação da cultura, dos costumes e da moral. Entretanto, os elementos básicos de sua fundação e manutenção não se perderam e estão presentes até os dias atuais: poder e domínio (da parte de alguns poucos homens), temor e adoração (da parte dos demais). O curioso é que disso derivam as religiões do mundo, e todas elas promovem, ou dizem promover a elevação ética e espiritual do homem, mas aí vem a pergunta: Por que a religião não tem alcançado seu suposto objetivo?  Não quer ou não pode? Bom, desde os tempos mais remotos, o doutrinamento religioso promove mesmo é muita intolerância àqueles que não estejam engajados e ajustados às suas convicções, o resultado disso são guerras incessantes e muitíssimas mortes. Exemplos é o que não faltam na história: a Santa Inquisição, As Cruzadas,  O Holocausto, A Guerra dos 30 Anos, o terror do Oriente Médio, etc. Será que não vemos que cada uma dessas linhas de pensamento doutrinário intenta monopolizar a Verdade? Talvez tenha sido isso que fez o filósofo britânico, Bertrand Russell, dizer que a religião é como uma doença proveniente do medo e propensa a entristecer a raça humana. Dados esses "grandes feitos" da religião, podemos concluir, por exemplo, que o Cristo histórico não foi o idealizador do cristianisno, uma vez que seus ensinamentos e seu viver inspiravam a libertação do homem em todos os sentidos e sobretudo, o amor ao próximo.  Longe de ser um modelo para a formação do homem íntegro, essa ou qualquer outra religião institucional resume-se em um negócio que pretende revelar com perfeição uma verdade imutável e absoluta, para todos os povos, de todas as épocas, impedindo necessariamente que a humanidade progrida na esfera moral e intelectual, pois acorrenta o homem à , que nas palavras de Kant, é sempre estatutária, isto é, limitada a um povo, e por isso não pode ser considerada como essencial para o serviço de deus, nem ser condição suprema para agradá-lo; constitui-se portanto, em um falso culto, uma falsa adoração a deus. Este mesmo, que nos deu as ferramentas necessárias para o autoconhecimento. Até quando vamos renunciar esse direito e cedê-lo à religião? que, pelo visto, não passa  de uma invenção humana, com potencial efeito negativo sobre a própria humanidade - sim, mais um instrumento de dominação. Agostinho já sabia que a sincera busca pela Verdade não estava no pertencimento a esta ou aquela "facção religiosa" mas numa ânsia de encontrar autonomamente sua própria essência como fagulha divina.

6 comentários:

  1. E que Verdade Agostinho buscava? Só ela são três: aletheia (grega), veritas(latim) e emunah (hebraica). A primeira é turva, pois admite que a verdade está somente naquilo que se pode ver; é manifestação do que existe aos olhos. A segunda, se não em engano, é tradução da palavra "verdade" em latim, que aceita a exatidão e detalhes de um fato-relato como verdade. Por fim, emunhah significa confiança. Verdadeiros são aqueles em que se pode confiar, que cumprem o que fora dito/prometido. Aqui, as pessoas e Deus são verdadeiros. Sem querer entrar em outra discussão, pra mim, essa Verdade é ingênua.

    ResponderExcluir
  2. Legal, Tati. Nesse você se aproximou do questionamento que desencadeou toda a filosofia de Nitzsche que foi "Para quê e Por que a Verdade?" Impressão minha ou você se afeiçoa mesmo a essa idéia? (acredito que Agostinho, pensava encontrar a resposta para a Verdade na sua própria busca sincera por um vínculo essencial com deus.. os conceitos de Verdade era o que menos importava.)

    ResponderExcluir
  3. mas Tati, acho que você deixou a principal questão do post de lado, que seria "qual(is) é a contribuição da Religião para a humanidade até hoje? Se existir alguma, cite-a, por favor. (antes, avalie se os sabidos malefícios não a solapam, é claro...rs)

    ResponderExcluir
  4. Verdade e razão! Bem, como disse no post anterior, razão é simplificando em outras palavras : busca particular. Agora, verdade, não aquela que nos apresenta, mas a real origem. O incontestável fato, não pode ser alterado. Ainda que não tenha havido testemunha para nos contar e ainda que não acreditemos em possíveis ou supostas testemunhas. A verdade estava lá, não importa se não cremos e também, só nos interessa, pelo prazer da questão. Mesmo porque, se formos avaliar todos os aspectos e/ou parâmetros, poderá existir muitas verdades possíveis e poucas verdades prováveis! Essa busca incessante é o único alimento da "alma"!

    ResponderExcluir
  5. Na verdade, não exatamente a busca, mas a esperança de encontrar, generaliza e engloba, não só a religião, como a ciência e filosofia. e, sim, pra quê ou por que a verdade, ou ainda, que sublime proveito nos pode conceber, já que, trata-se de pedra preciosa cobiçada, não lapidada. Considerando, verdade, no lugar de religião, justamente, pela impossibilidade de prova humana sem a vontade "divina"! Como vês, é mais fácil estender a questão do que responder!

    ResponderExcluir
  6. As religiões, perderam seu sentido, e apenas identificam aspectos culturais de grupos ou nações, ninguem mais sabe e pra dizer a verdade nunca souberam quais os reais preceitos filosóficos e atitudinais de cristo, buda, maomé, confucio, abraão ou dos bramanes, fazem uma total confusão, criam novas vertentes dentro das proprias religioões, como sunitas e xiitas, católicos, ortodoxos ou evangélicos, umbandistas e kardecistas umas verdadeira putaria religiosa onde a moeda são os fieis.... ai saem falando besteira e preconceito pra todo lado...e acham que é isso que leva a Deus....e o diabo nau se discute né.. todo mundo é elevado de espirito e cultura e bem hipócrita também... o unico templo em que prestão atenção de verdade é o monitor de pc... ai aparecem pérolas nesse templo...

    ResponderExcluir

Insira seu comentário aqui