quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

DIÁLOGO A PARTIR DA CONSCIÊNCIA

#
o que acha, amigo, desta possibilidade
da consciência poder existir fora do corpo
ainda em vida?
@
uma maravilha!
quereria 'eu' poder...
mas por enquanto só posso falar nela como 'possibilidade'
visto que ainda não é factual
exceto para aqueles que dizem ter experimentado...
ou como diria Clarice: sentir só é comparável a sentir...
não há descrição que apreenda tal noção...
então, o que resta é a mudez sobre o 'seu' fenômeno pessoal..
#
é isso mesmo!
bem, agora você conhece alguém que experimentou:
o Tiago
chama-se ‘viagem astral’ dentro do esoterismo
uma forma de expandir a consciência com novas percepções
@
eu conheço quem experimentou, só não SEI
#
sim, é só para alguns também
mas não vejo mais como uma experiência, essência
ou coisa importante para saber quem somos
e termos plenitude na vida
tudo são níveis e níveis de conscientização
só isso:
quando se atinge um ponto
há uma mutação
@
isso é muito bom... esse movimento, essa mudança
(não importa por quais pontes)
essa 'grande travessia', nas palavras de Pessoa...
#
acho que este é um momento crucial para a humanidade
para uma mudança radical de consciência.
@
concordo. só não sei se virá tão logo...

já percebi em nossas conversas que você cita muito o iluminado Jesus
eu não
será que dou preferência a outros..
por conta de minha passagem traumática 
pela religião construída em torno do Cristo?!

(e pensar que o Ribeiro me acusou de não possuir pensamentos próprios
porque insiro alguns mestres na minha fala...
tão ingênuo que é, não se deu conta de que reproduz
quase que fidedignamente uma idéia, dita 'pura'
fixada há mais de 2 milênios...

o meu, é exatamente isso, essa colcha de retalhos
fragmentos de um aqui e outro ali
sim, eu li Moisés, li Paulo e João, 
mas também li Kant, Spinoza, Nietszche e muitos outros
ele, pelo contrário, nunca dialogou com pensadores 
que divergem de seus paradigmas religiosos...

detalhe: não li Cristo - este nada escreveu
(enquanto o Ribeiro acredita ter assimilado toda a essência divina
pelo que ele julga ser a própria Palavra de Deus)
#
já pensei na possibilidade de seu trauma com o questão bíblia/cristandade
ainda considero a bíblia um livro misterioso
a limitação do Ribeiro é evidente
mas acredito que a conscientização progressiva
inclusive influenciada pelos teus diálogos
deixa algo que gera reflexão posterior
@
parece ser real não é?! mas eu estou parando com isso
inclusive, o que acabei de te relatar sobre o Ribeiro
foi um comentário que ele fez em um dos meus posts
no meu blog pessoal
mas eu não publiquei e nem repliquei
para não causar...
#
uma boa escolha
o gasto de energia 
seria incômodo
eu fujo muito destas discussões hoje em dia
mas já fui viciado
defensor agressivo de meus pontos de vista
até perceber que nada sei...
@
e eu tenho que parar com essa mania de querer
implantar a dúvida em outras pessoas que estão em outros estágios...
eu sei que pra mim a dúvida é uma companheira, amiga
aprendi a conviver (bem) com ela...
ela me move, me motiva, me estimula o tempo todo...
a dúvida é uma pepita de ouro que encontrei dentro de mim
no entanto, para outros ela é a falta do assoalho de suas vidas...
então, inventa-se um, perfeitamente sólido e rígido para se sustentarem
pois o medo de se perder no abismo profundo é aterrorizante
#
com certeza é necessário saber detectar e respeitar
o estágio de conscientização de cada um
tem gente que tem temor a dúvida
é necessário dar tempo às pessoas para que as coisas fermentem
para quem acredita em reencarnação, isso pode demorar até várias vidas
a dúvida vem naturalmente e é irrecusável quando a gente está preparado
de forma que não se pode negá-la
aí vem a transformação
@
o grande salto... no vazio
que para muitos, pode assemelhar-se à loucura
#
Nietzsche, acredito, fez o salto
só não sei se se perdeu
e realmente enlouqueceu
ou morreu mais lúcido que todos nós
"É necessário saber equilibrar o terror de ser homem
com a maravilha de ser homem"
(Don Juan, mestre xamã de Carlos Castaneda)

Estava lendo Eckhart ontem e ele disse que 
quem ‘experiencia’ a experiência não é o sujeito
(que também é objeto, conteúdo)
Quem ‘experiencia’ a experiência é a consciência
é ela que possibilita existir o sujeito, os pensamentos
sendo nossa verdadeira realidade adormecida 
pelo nosso infindável diálogo interno.
O que acha?
@
magnífica proposição! 
a citação também é pontual
mas não entendi quem seria o autor...
#
O mestre xamã do Carlos Castaneda se chamava Juan
Como era respeitado na região, o chamavan de Don Juan
Nada a ver com o famigerado personagem da Literatura.

com relação à proposição de Eckhart
depois ele próprio se pergunta: então o que é consciencia?
e ele responde: impossível responder a isso
pode-se conceituar
mas não será a coisa em si
a consciência só pode ser presenciada
percebida
só pode SER mesmo
@
então a citação é um fragmento da voz do personagem
supostamente o alterego do autor
#
talvez
no caso do Castaneda
porque ninguém sabe se seus livros são ficcionais ou não
no entanto, ele relata como experiências reais

vou almoçar daqui a pouco...
@
ok, meu caro
se calhar, a gente senta à sombra, lá na grama outra vez...

sábado, 20 de agosto de 2011

ONDE ESTÁ A SUA FÉ?

O mundo está caótico é o que dizem. Esse discurso, muitas vezes, só serve para propagar um sentimento de lástima e de desesperança. E vejo as pessoas perguntando a si mesmas se, em meio a tanto mal, desordem e corrupção, ainda vale a pena ser íntegro e honesto. Vejo gente dizer-se tão decepcionada com seus pares que preferem ter maior apreço ao 'fazer e ser' dos bichos de estimação que dos humanos. Postura um tanto quanto animalesca pro meu gosto! Mas, sempre aparece um e outro sujeito com a fácil solução: Aceita o Salvador, amigo! Esse cheios-de-fé, resignados, projetam-se na contemplação de um Novo Lar, onde tudo será perfeito e lindo para sempre. Afinal, todos os males já estavam previstos, e são o prenúncio do fim-dos-tempos, é o que dizem; - Negam a própria existência em função de uma outra, ancorada no porvir – niilistas modernos que são... Há também os que querem fazer com que tudo retorne aos tempos antigos.  - Antigamente é que era bom.  - O mundo de hoje está perdido! São pessoas que repudiam tudo que é novo, diferente ou reflexivo. Apontam o dedo aos pecadores, e logo se colocam num patamar elevado e irrepreensível, já que seriam os únicos a, ainda, guardarem os melhores valores: antigos e sagrados. Acreditam que o mundo está pervertido; a promiscuidade tem se alastrado; as mulheres não se dão mais o valor; a homossexualidade se multiplica dia a dia. Mas nunca pararam pra pensar que prostitutas ou homossexuais existem desde que o mundo é mundo. São pessoas também; bem ou mal, são as suas condições. Outrora e agora. Vamos apedrejá-los? queimá-los na fogueira? depreciá-los? apenas expurgá-los do céu? Quanta bobagem!!! Novamente, a Religião incrustada nessa mesquinhez conceitual e atitudinal.
Precisamos pensar mais no mundo de hoje, tal como ele é; do modo como se apresenta. O pensamento de 2 e 4 mil anos atrás não pode transformar a nossa realidade. Não adianta querer retorcer o mundo para que ele caiba dentro de conceitos e princípios arcaicos que um dia foram compulsoriamente agrupados num livro - e que, em algum momento pode até ter sido útil. Nós precisamos nos repensar como sujeitos históricos e co-responsáveis por melhorar o mundo atual, se é que realmente ele anda de mal a pior. Repetir jargões e pessimismo não nos levará a lugar algum. Não podemos voltar no tempo, mas podemos prosseguir, provocar mudanças a partir da reflexão sobre  que tipo de pessoas queremos ser, ou, em que espécie de mundo queremos viver. Quem considera que só há sentido nessa vida se ela estiver assentada na ideia de uma vida futura, metafísica, paradisíaca, é porque já entregou os pontos, perdeu a fé na vida real , nos homens e no Amor. São sujeitos que só pensam na magnífica sobrevivência do seu 'eu' em um lugar além-de-aqui, um paraíso preparado para os 'santos'. Mas, este mundo é dos vivos, dos que aqui obtém o seu sentido de viver, dos que entendem a realidade como uma criação coletiva e partilhada: ação, reação, consequência, reformulação. Isto tudo é o espaço daqueles que aqui se nutrem do prazer e da dor de serem vítimas e algozes do devir. 

A NÃO-EXISTÊNCIA

As pessoas que perguntam se eu acredito em deus, o fazem porque não conseguem separar o que seja o fenômeno religioso da própria Divindade. Elas sabem que eu critico muito a Religião, porém, não sabem que, por razões lógicas, e não de , eu tenho que postular um deus - embora a noção que tenho de deus seja bastante adversa da que tem um religioso. Digo: se você está respirando ou pode mover o braço, isto se deve a um fator biológico e às leis da física, certo! mas o que vem antes disso?! Faço essa digressão até os limites de minha inteligência, passando pela evolução das espécies, big-bang e tudo mais, e constato que se existe um átomo, algo deve estar por trás disso, visto que, logicamente, o átomo não poderia se autoproduzir. Esse algo incognoscível é o Princípio e o Fim de tudo, como já intuíram nossos antepassados, e, como nas palavras de Platão, é “o motor do universo”. Aí vem o espertalhão e diz “se o átomo não pode trazer a existência a si mesmo, por que deus poderia fazer-se existente antes de qualquer coisa?” A resposta é relativamente fácil: não pode! Se imaginamos que deus precisa também de uma causa para existir, então essa ‘Causa’ é que está no princípio, e ela é deus. A questão é que deus não existe mesmo. Ele não é existência. Essa não é a palavra adequada pra fazer referência a deus; na verdade, nem temos uma palavra ‘perfeitamente’ apropriada. Existência é efeito, deus é Causa Una, e por isso mesmo, tão imperscrutável por nós, que presos no tempo e espaço existencial, só aportamos em nosso entendimento o que pode ser posto sob as noções de causa e efeito. A Religião, por ser fruto da representação humana, só pode produzir uma caricatura de deus. Enquanto isso, cada líder religioso se aproveita para ser o porta-voz da Verdade. Eu teço críticas, na tentativa de desobstruir as vistas daqueles  que, absorvidos por uma cultura, ludibriados com promessas, em busca de seus próprios interesses, ou mesmo por ingenuidade e medo, são levados a comprar o Deus que essa ou aquela religião formatou.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

AMOR DE SI

Em minha busca silenciosa por conhecimento deparei-me com a Filosofia. Não que ela já não tivesse sido apresentada a mim. Mas da forma como tinha sido, eu a ignorei, ou melhor, eu a repudiei, ela e seus assombrosos pensadores. Puro preconceito. Um dia, e não faz muito tempo, por conta própria, encontrei Jostein Gaarder, que me revelou o escopo filosófico. Ele não só me falou da história da filosofia, como também, me convidou a filosofar. Foi, assim, que abri os olhos para a sabedoria que a mesma continha. Estudando autonomamente, descobri nela uma forma muito empolgante de se viver, de enxergar o mundo, de encarar a vida. Apropriei-me de uma liberdade tal que eu não conheci em outros tempo-espaços. Porque isso me fez tão bem, tenciono, desde então, compartilhá-lo com o maior número de pessoas que puder. Mas não me iludo. Sei que aquilo que se agigantou diante de mim, e de certa forma, me transmutou, pode não ter o mesmo efeito nos outros. Chegar à Filosofia era o reflexo de minha procura contínua por saber - não que a Filosofia (ou toda sua produção histórica) seja o saber último das coisas, mas porque é, ela mesma, em suma, a própria busca pela sabedoria última das coisas:  a essência, o Ser.
Um amigo me disse não ver nada de encantador no pensamento filosófico - coisas que eu havia lhe mostrado. Ele também achou um absurdo o meu recente desapego às tradições cristãs. Julgou que eu tinha me tornado um 'fraco'. Encontrado algo em que me apoiar. Rendido ao ego. Que agora, eu era o centro de mim. Naquele momento, eu só respondi, entre risos, que não conhecia ninguém que não fosse o centro de si. Foi pouco. Devia ter lançado a retórica “Qual destes está mais voltado para o próprio ego: aquele que se ocupa em amar a vida e viver, conscientemente, o melhor de sua breve existência, ou, aquele que intenta garantir a transcendência do seu ‘eu’ após a morte?" Tão incônscio do seu fim, este último, deseja, com todas suas forças, uma salvação. Sem perceber que toda essa ideia de 'salvação' emerge da voz altiva de um ego desesperado gritando: Eu quero viver eternamente!

quinta-feira, 14 de julho de 2011

A RAZOABILIDADE DAS LEIS RELIGIOSAS

Outro dia, tive uma deliciosa discussão com uma colega de trabalho que é Testemunha de Jeová. Acho que houve interesse mútuo, pois, pelo seu discurso, pude notar sua intenção de 'evangelizar-me'; e eu queria levantar alguns questionamentos sobre sua adesão às leis impostas pela religião cristã, mais especificamente, as da sua instituição. De súbito, lembrei-me que, há muito tempo, havia sido interpelado por um jovem dessa mesma vertente religiosa. Deixei ele falar tudo o que quisesse e somente escutei com atenção. Religioso, que eu era, minha fala seria vã porque se tornaria precisamente um embate de dogmas. Já naquele tempo eu sabia que isso não nos leva a lugar algum. Então, desta vez, vi uma grande oportunidade de fazer diferente, e em um dado momento da conversa com minha colega perguntei "É verdade que vocês não podem doar, nem receber sangue?". Ela deu um sorrisinho sarcástico e disse que era só questão de tempo pra eu entrar nesse assunto. Para ela, era coisa previsível. Tava acostumada. Logo, respondeu positivamente, dizendo "Sim, Deus proíbe a transfusão de sangue." Eu quis imediatamente saber por que deus proibiria alguém ter a chance de ser salvo da morte, por intermédio do sangue de outro. Tive que ouvir a alegação de que isso era uma lei de Deus. Está escrito! Ela não havia entendido que eu desejava saber a razão pela qual deus exigiria tal coisa. Qual era a razoabilidade da lei. Me expliquei, e, então, ela disse: "O sangue é a Vida, que a cada um Deus dá". Fiquei na dúvida se isso era a razão que ela pressupunha, ou simplesmente mais um versículo bíblico. Seja o que fosse, me pus a pensar a respeito. Fiquei aturdido com o fato de alguém ter a oportunidade de salvar a vida de outro, sem maiores ônus, e não o fazer. Mal tinha começado a digerir a informação, e ela emendou: "Para nós,  mais vale morrermos e entrarmos no Paraíso, aqui na Terra (sic!), do que vivermos e ao final sermos condenados". 
Primeiro, o sangue é a vida. Segundo, cada um tem a sua. Certo! Mas, ao doar parte do meu sangue para que um outro possa viver, eu não perco a minha vida, ela continua comigo. E melhor, aquele que porventura estivesse num leito de morte, agora também poderá viver. Não há perda, só ganho. Procurei algo que ferisse os princípios de justiça, integridade, liberdade ou ética. Mas, não. Não havia nenhum mal que pudesse dar respaldo àquela justificativa. Suspeitei que esta não tivesse passado pelo crivo da razoabilidade, e lancei a questão: "Do que foi dito que deus havia dito, você ousa questionar, ou, há tácita aceitação, só porque tratar-se-ia de uma lei?" Porque se for assim, dá pra entender como muçulmanos extremistas podem detonar bombas em meio a uma multidão de pessoas inocentes. Pois, também nesse caso, a lei de deus vem acompanhada de uma promessa: a de um paraíso repleto de virgens. Ela arregalou os olhos. Não demorou muito, pra que o assunto descambasse da religião para a política. Acostumados que estamos com a sujeição às leis religiosas, sem nenhum posicionamento crítico, também, abaixamos nossas cabeças para as leis dos governos. Estas, que muitas vezes, não tem a menor razoabilidade. A associação não me foi difícil. Quando olho pra trás, vejo uma igreja cristã que dominava tudo, disposta a escalpelar qualquer um que fosse contrário as suas ordens. Todos, inclusive o Estado, comiam na sua mão. Thoreau disse uma vez que sai mais barato sofrer penalidades pela desobediência ao Estado do que se submeter as suas leis, injustas e infundadas. Eu poderia glosá-lo dizendo: Sai muito mais caro ignorar, por obediência às leis religiosas, a realidade das coisas boas do mundo e seus prazeres, do que ser supostamente condenado a um fantasioso lugar de eterno tormento e dor.

domingo, 15 de maio de 2011

QUANTO VALE O DISCURSO CIENTÍFICO?

O discurso científico não tem, a priori, valor de verdade em maior proporção que os discursos não-científicos. Trata-se de um consenso entre a comunidade científica de fazer valer como tal, a apresentação dos meios, métodos e resultados de uma pesquisa, sob a estética de um discurso marcado por características como: a objetividade, a impessoalidade, a ausência, ou o enfraquecimento da presença do eu-enunciador em seu respectivo enunciado. Com isso, os cientistas querem fazer parecer que suas descobertas são a mais perfeita tradução da realidade, e desse modo, inquestionáveis. Entretanto, essa intenção revela-se paradoxal, já que o próprio esforço em caracterizar o discurso científico, dirimindo as marcas textuais que exporiam o enunciador, denota um sujeito produtor deste discurso, que, obviamente, teve de fazer essas e outras escolhas, inclusive, do tema, do foco, da seleção lexical, etc.
A despeito do que querem os cientistas, a validade de um texto discursivo parece estar baseada na força e na qualidade de sua argumentação perante seus interlocutores, ou seja, o quanto ele obtém de adesão por parte daqueles que o leem. Nesse sentido, o discurso de um blogueiro evangélico, carregado de subjetividade (dada sua paixão e crença) pode ter efeito de ‘ciência’ para algumas pessoas. Além disso, textos como os do biólogo Richard Dawkins, que elucida a complexa Teoria da Evolução e, nos quais, as marcas de pessoalidade são muito fortes, alcançam notoriedade e respeito mundial entre cientistas e não-cientistas, por mérito de sua capacidade de exprimir a realidade.
Assim, podemos dizer, que um discurso textual adquire valor de ‘científico’ (expressão da verdade) não pela forma com que é produzido, mas, sobretudo, pela qualidade da produção – qualidade que está logicamente subordinada a uma avaliação subjetiva, isto é, a daquele a quem o discurso é direcionado, ou de qualquer outro, que seja atingido por tal discurso e com ele interaja. Sendo assim, a capacidade de reflexão, o conhecimento (linguístico, enciclopédico e interacional), e principalmente, o posicionamento crítico, são os melhores (senão os únicos) aliados dos sujeitos, nessa árdua tarefa de avaliação, e consequente, valoração dos discursos - sejam eles científicos ou não. 

quarta-feira, 30 de março de 2011

ACEITA UMA PROFECIA?

De tempos em tempos surge na história alguma revelação - algo como um registro que ostenta  a predição de eventos futuros. Fato ou não, muitos deles não chegam a acontecer: é o caso das vezes em que fora anunciado um suposto 'fim dos tempos'. (Essa, os profetas ou os interpretadores dos registros deixados por aqueles, vivem errando feio.) Mas, há casos em que eventos observados no mundo parecem corresponder nitidamente a antevisões desse tipo, e aí, não tarda para aparecer os adeptos das chamadas profecias. Nesse ponto, consideremos a relevância de trabalharmos um exemplo notório: o dos cristãos. Eles, em geral, costumam validar o conteúdo bíblico - sua veracidade e 'sacralidade' - com base em alguns acontecimentos no mundo que, segundo eles, tem nítida relação com o texto canônico, afirmando que as profecias têm se cumprido. Ora, o que na verdade fazem, só pode se tratar de uma análise retroativa, em que, feito um recorte entre bilhões de bilhões de eventos no mundo, busca-se um paralelo ao que fora dito por aqueles escritores, ou seja, ninguém leva em conta a imensurável quantidade de eventos que não foram 'preditos'. No caso, nem precisamos mencionar que a maioria dessas previsões não estabelece datação para a ocorrência dos eventos, e sendo assim, talvez valha lembrar que, em se tratando de tempo indefinido, é também indefinido o número de fatos possíveis de ocorrer, o que deste modo, facilita muitíssimo a relação entre o que é previsto e o que de fato acontece. Esses mesmos cristãos advogam também que uma análise do Novo Testamento revela o cumprimento de profecias encontradas no Velho Testamento. No entanto, sabe-se que os escritores do Novo Testamento tiveram acesso às escrituras hebraicas, e por isso mesmo, nada os impedia que simplesmente criassem narrativas, às quais pudessem ter alguma equivalência com o que já se conhecia (na verdade, é possível que, exatamente, esse tenha sido o critério de seleção dos Evangelhos entre tantas versões da história cristã contemporânea disponíveis à época do Concílio de Nicéia: a sua concordância com o Velho Testamento). Enfim, voltemos à questão inicial com a seguinte reformulação: Seria possível que as chamadas profecias e sua relação com os fatos no mundo fosse apenas coincidências?
Circula na internet um e-mail que relaciona objetos e pessoas dos EUA ao terrível ataque terrorista de 11 de Setembro. Nele, é apresentado, por exemplo, as duas faces de uma nota de vinte dólares, que, dobrada, revela incrivelmente as imagens do Pentágono e das Torres Gêmeas pegando fogo, e ainda, da mesma maneira, aparece a palavra Osama numa das extremidades da cédula. Além disso, há cerca de outras dez correlações a esse evento, envolvendo lugares e nomes de presidentes daquele país. O que se pode dizer nesse caso? que havia predições sobre o funesto acontecimento? Parece-nos improvável, não é mesmo? De fato, se dispusermos de tempo suficiente para uma análise retroativa minuciosa, encontraremos não uma dúzia de equivalências, mas muitas outras. Do mesmo modo, poderíamos elencar milhares de não-equivalências, isto é, inúmeros aspectos em que não se encontra qualquer paralelo entre o evento e esses objetos e pessoas. Pensando bem, são infinitamente maiores os casos de não-coincidências em comparação ao que coincide, mas, nós, seres humanos, temos a tendência de nos apercebermos e darmos destaque para eventos que encontram algum tipo de correspondência no mundo. Vejamos estes outros casos:  1- Toda vez que Thaís atrasa do seu horário normal de voltar para casa à noite, depois da faculdade, sua mãe pensa ter acontecido algo com ela e se aflige com essa hipótese, mas, para conforto dela, a filha sempre chega bem, dizendo ter havido somente dificuldades com o transporte público. Observem que, no dia que vier, e se vier a acontecer um incidente com a jovem, a mãe invariavelmente sentirá e/ou declarará que teve uma espécie de predição, ou presságio daquele evento. 2- Amarildo é um enfermeiro de 40 anos; toda noite ele tem sonhos, sempre variados, múltiplos e desconexos - como a maioria de nós. No dia que sua esposa sofre um grave acidente no trânsito e vem a falecer, ele prontamente correlaciona o fato a um sonho que tivera na noite anterior, no qual socorria uma bonita mulher gravemente ferida numa batida de automóvel. Ora, enquanto esse incidente não ocorreu, Amarildo nunca fazia menção dos sonhos (talvez nem pudesse se recordar deles com exatidão), mas, no momento em que, porventura, um só sonho coincidiu com um evento significativo para ele no mundo real, Amarildo não hesitou em traçar um paralelo de equivalência entre eles, e naturalmente conjecturou tratar-se de uma antevisão, previsão ou predição da morte de sua bela esposa.
Então, chamamos a atenção para essa nossa absurda capacidade de selecionar e correlacionar eventos - apontamos coisas extraordinárias que, de fato, não passam de casualidades (pense por outro lado na infinidade de acontecimentos do mundo real, inclusive simultâneos, que poderiam ser associados diretamente aos sonhos do enfermeiro, mas que, de maneira simples e automática, foram descartados, uma vez que não seriam relevantes para o sonhador em questão). Reunindo esses poucos argumentos (teríamos muitos outros para descrever, os quais, porém, fariam este post longo e cansativo) é que argüimos sobre a aceitação de profecias. Portanto, fiquemos atentos, no próximo ano (2012), caso haja qualquer acontecimento catastrófico, este será, sem sombra de dúvida, o fatídico cumprimento da 'Profecia Maia' - nas bocas e mentes 'inocentes'. (Essa podemos “profetizar"...)

quarta-feira, 16 de março de 2011

GOSTO NÃO SE DISCUTE?

Já se perguntou por que você gosta do que gosta? Será que existe alguma coisa impelindo ou determinando nossos gostos pessoais? Paremos pra pensar: se eu tivesse nascido e vivido na África, eu iria gostar das mesmas coisas que gosto hoje? É muito provável que não, até porque o que temos disponível aqui difere, em grande parte, do que é disponível lá. Pelo mesmo motivo, é razoável dizer que se tivéssemos nascido no Século IX nossos gostos seriam completamente adversos dos atuais: coca-cola e games (naquela época sequer poderiam ser mencionados). É fácil perceber, então, que nossos gostos são diretamente moldados pela localização geográfica e tempo histórico aos quais nos integramos. Mas nisso, vai ainda outros fatores que devem influenciar-nos:  por exemplo, a cultura nacional. Os valores cultivados por anos a fio em um grupo social tendem a cercar e conduzir os indivíduos nascidos naquela sociedade, e manipular, ainda que despretensiosamente, suas escolhas.
Parece justo assimilarmos a idéia de gostar de algo com a idéia de escolha, haja visto que, tanto quanto pudermos, escolheremos aquilo que gostamos. Entretanto, nem tudo que podemos gostar, nós podemos escolher: voar livremente como um pássaro pode ser o gosto de alguém, mas não pode ser sua escolha, do mesmo modo,  não gostar de se preocupar com alimentação, ou não precisar se alimentar (e ainda assim continuar vivo) poderia ser o desejo de alguém, mas não pode ser sua opção. Se formos mais a fundo nessa linha de raciocício, veremos que nossa liberdade de escolha é mínima ou nenhuma, pois ela estará sempre limitada à opções já dispostas para nós, de antemão. E aqui esbarramos na controvertida noção de livre-arbítrio cunhada pela religião cristã,  mas esse é assunto pra outro post.  A propósito, se você fosse indiano você escolheria cultuar o deus cristão? Bem, pelo visto estamos discutindo aquilo que o senso comum diz que não se pode discutir, não é mesmo? Em contrapartida, para os filósofos tudo é discutível por todos. E isso, não com propósito em si mesmo, mas, como recurso para ampliar saberes; um método de busca da verdade; ou simplesmente para nos nos encontrar. É como diz uma das analogias  do filósofo Jostein Gaarder: somos como peças de Lego tentando se encaixar umas nas outras - e buscamos desesperadamente achar algum sentido nisso.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

A EVOLUÇÃO descoberta por Darwin CONTINUA A OPERAR?

A resposta para essa questão pode ser um surpreendente ‘talvez’ (tanto para criacionistas como para evolucionistas).  Entretanto, antes de argumentarmos qualquer defesa, precisamos entender dois processos referentes a esse assunto, a saber, a Seleção Natural e a Seleção Artificial
A Seleção Artificial é realizada por mãos humanas. Seus agentes são: cientistas que adulteram geneticamente algumas espécies – como é o caso da soja transgênica, mas também o  homem comum, que, porventura, seleciona animais domésticos, de acordo com as características que lhe apraz, isto é, o gosto pessoal de cada um. Neste último caso, um bom exemplo é a variedade de raças de cães, que é certamente resultado desse tipo de seleção. Todos os caninos modernos que possamos lembrar, como: chiuaua, são bernardo, doberman, labrador, pincher, etc. (a lista é enorme: são mais de 800 tipos) - cada um com suas particularidades que o distingue dos demais, possuem um ancestral comum: o lobo selvagem. Essa diversidade de descendentes se deve ao fato de que nós escolhemos os caninos que queremos criar; selecionamos pela cor, pelo tamanho, pela esperteza, enfim: diversas qualidades. Trouxemo-os, gradativamente,  da selva para a cidade, e assim, pouco a pouco, mudamos artificialmente seus hábitos. Além disso, determinamos também, muitas vezes, a copulação desses animais (com qual outra raça os deixamos “cruzar”- popularmente falando) porque queremos “boas” qualidades em seus filhotes. Desses dois modos, acima descritos, é que a Seleção Artificial acontece. Assim, decidimos quais as características fenotípicas serão levadas em frente, e por consequência as informações genéticas que prosseguirão nas sucessivas gerações de cães.
Bom, em tese, é com a mesma simplicidade que ocorre a Seleção Natural (aquela, descoberta, em meados do século XIX, pelo brilhante naturalista Charles Darwin) - embora, o selecionador, neste caso, não seja o homem.

Como bem disse o educador Ruben Alves, a natureza viva, ou tudo que tem vida neste planeta clama por eternidade, ou seja, faz, extraordinariamente, qualquer coisa para manter-se vivo, e, por isso ou em função disso, é inata a capacidade de reprodução em todas as formas de vida - são os famosos “instinto de sobrevivência” e “instinto de perpetuidade da espécie”. 
Ao se reproduzirem, os seres vivos repassam as informações de seus genes; estes, por sua vez, podem sofrer uma pequena mutação, e o descendente repassará a informação genética ligeiramente modificada, ou não, para a geração seguinte, e assim por diante, gradualmente. Ao longo de muitas gerações, essa ínfima mudança, que, em suma, visa a adaptação e sobrevivência dos seres, estará acumulada, influenciando obviamente, o desenvolvimento das espécies, isto é, transformando seus corpos ao longo de muitos milhares de milhões de anos – é o que preconiza a Teoria da Evolução. O biólogo Richard Dawkins afirma que o elemento executor da Seleção Natural é a morte: é por causa dela que os seres se aprimoram e evoluem, pois, como dissemos, seguem sua vocação para o viver. Dito isso, chegamos ao ponto chave, e portanto, estendemos a pergunta inicial: "Se todos os animais superiores evoluíram de formas de vida mais primitivas, por que ainda existem simples peixes? por que não se transformaram em aves ou lagartos? E as inúteis baratas? por que ainda estão por aí? Esses seres continuam a evoluir? E quanto ao homem? passou pelos neandertais, chegou ao homo sapiens e parou em nós?"
Bem, na seleção darwiniana, um corpo que possui o que precisa para sobreviver, automaticamente tem seus genes preservados dentro de si, e estes, conferem aos corpos as qualidades que os ajudam a sobreviver. Pensando assim, podemos dizer que os tais peixes e baratas ainda são o que são porque sobrevivem, seus predadores, ou mesmo o ambiente, não ameaçam sua existência, o “selecionador” – a morte, não requereu deles, ainda, qualquer mutação; pelo contrário, tem levado adiante os genes necessários para que sobrevivam na forma que os são (é como dizer que conquistaram seu espaço neste mundo). Além disso, nossa percepção nos engana porque esses seres não são, de modo algum, primitivos, pelo contrário, são altamente "modernos e sofisticados", no sentido de que seus genes tiveram tempo suficiente para melhorar características (como a visão, olfato ou a velocidade do nado), que lhes  garantiram a subsistência e subsequente reprodução. O mesmo pode-se dizer dos homens: não havendo pressão evolutiva, ele segue vivendo na forma que é. Entretanto, isso não descarta a hipótese de que, futuramente (em mais um milhão de anos, talvez), esse homem não sofra seleção. O fato é que somos incapazes de perceber a evolução, uma vez que, como afirma a teoria evolucionista, ela opera em escalas adversas a nossa compreensão de tempo – e este é um dos fatores que contribuem para a nossa incredulidade na fenomenal idéia darwiniana. Então, pode ser que já estejamos sendo selecionados: os que morrem sem se reproduzirem não repassam as informações genéticas - estas que nos tornam, naturalmente, aptos para a vida. 
É difícil imaginarmos um tempo suficiente para que o acúmulo de informação genética cause transformações em nossos corpos, ao ponto de que possamos viver mais; inclusive, não temos ciência de que esses genes, intervindo na formação do nosso cérebro, possam também modificar nossa forma de pensar, todavia, se for o caso, desejamos que essa evolução seja em breve, até para que, os menos evoluídos de nós possam, algum dia, admitir o evolucionismo sem medo.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

À IMAGEM E SEMELHANÇA DE QUEM?

Ao homem que ascendeu de uma paralisia mental acerca das questões mais complexas que o rodeia para uma postura crítica da realidade, é-lhe dado o prazer de entender e explicar coisas à luz  de uma sabedoria lógico-racional adquirida conscientemente - coisas que outrora estiveram confortavelmente alojadas no calabouço da religião, mas que agora inquieta-lhe a alma: "buscadora veraz de uma veracidade verossímil". Pensando assim, tencionamos articular uma resposta para o como chegamos a uma imagem ou caracterização de deus.


Na nossa cultura, vemos deus através do prisma da religião cristã. Segundo essa tradição, deus teria se revelado a nós na pessoa de Cristo: humano e divino simultâneamente, do qual só temos conhecimento de três anos de sua vida em registros históricos. O fato dele ter encarnado em um homem e não numa mulher influencia drasticamente na imagem que fazemos de deus, ainda que, muitos de nós resistamos à conjectura de que deus possua sexo, ou melhor, gênero masculino ou feminino. Bom, isso é mero detalhe se comparado aos vários exemplos contidos na narrativa bíblica de um deus com características humanas. O deus lá representado é um deus que possui cabeça, mãos, pés, costas; um deus que se ira, se arrepende, se vinga, se entristece; um deus que abençoa e recompensa o bom, e, despreza e condena o mau (presenteia com a vida eterna ao que fizer a SUA vontade e rejeita e lança no eterno sofrimento ao que não a fizer) - além de tudo, um deus egoísta, mesquinho. Quem conhece um pouco dos textos canônicos vai lembrar destas paráfrases que exemplificam algumas ordens divinas ali descritas: /Moisés, separa o povo por etnia, e mata todos quantos não forem israelitas. /Josué, separa o povo por crença, e aqueles que não adoram ao deus de Abraão devem ser mortos: homens, mulheres, crianças; tome teu exército e destrua também os bens e os animais desses homens, pois não são dignos do reino./ - ou seja, um deus completamente  preconceituoso, partidário, segregacionista. Mas haverá aqueles que queiram contestar dizendo que essas coisas e atitudes de deus  estão no Velho Testamento, e completariam "Cristo regovou a Lei". Isso é o mesmo que dizer: 'deus revogou a si mesmo'. Por quanto, se a Lei  que  Moisés escreveu era advinda de Deus, logo era a Lei de deus, sendo assim, ela era boa, certo? como pode o deus que a criou e ordenou aos homens, simplesmente contrariar-se quando encarnado  no Cristo? Então, só pra terminar essa curta lista de atributos humanos no deus que a religião inventou, temos de afirmar que ele é também contraditório e indeciso. Talvez ele não soubesse que a primeira Lei não seria eficaz e de última hora quis reverter tudo na cruz. Nesse caso, a onisciência e a onipotência desse deus nunca existiram.
Ora, não nos parece estranho um deus demasiadamente humano como esse? Um deus que usa os mesmos pesos e medidas que nós, homens imperfeitos, não é tão pequeno quanto? não é tão limitado quanto? Sim, há de parecer estranho e  inconcebível para aquele, que dizíamos no primeiro páragrafo deste texto, mas para o outro, imergido numa fé cega, é pura bobagem questionar-se a respeito. Vejamos que esse deus bíblico não pode ser sequer uma caricatura do deus Supremo, Essência do Universo, Causa Primal, Fonte Criadora, Princípio Uno da existência. E a razão por trás desse estereótipo medíocre de deus é nossa própria limitação em depreendê-lo tal como ele é. Dito de outro modo, é natural o homem não poder ter idéias não-humanas para caracterizar deus, para caracterizá-lo divinamente teria de possuir idéias divinas, o que resultaria em ser, o homem, igual a deus.  Assim, nossas tentativas de descrever deus e seus atributos só pode ser equivocada, muito provavelmente, igualável à própria caracterização humana. (Se uma girafa pudesse idealizar um deus, provavelmente ele seria pescoçudo e de manchas marrons...). Os homens 'fizeram' deus à sua imagem e semelhança. Está escrito!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

SEXO É RACIONAL?

Tomemos o enunciado de Aristóteles - "O homem é um animal político" - não como um argumento para o tema que pretendemos tratar, mas apenas como base para a investigação expressa no título deste texto. No caso, não vamos precisar de toda a sentença, mas apenas, até onde, o mestre precursor da classificação dos seres vivos, declara que 'o homem é um animal'.
Em primeiro lugar, entendamos que a acepção para homem aqui  utilizada é raça humana. Então, reformulemos: 'a raça humana é animal'. No entanto, essa expressão pleonástica não nos diz tudo que a humanidade é, somente reforça uma parte dela. Assim, podemos complementá-la com a enunciação "Os humanos são racionais", e desse modo, deprendermos duas de suas características fundamentais: o instinto e a razão. Posto isso, perguntamos: a inclinação humana para o sexo é algo instintivo ou reflete uma decisão consciente e pessoal do ser? Ora, para buscarmos uma resposta plausível, teremos obviamente que fragmentar a noção de sexo nas partes que a envolve, estamos falando dos seus propósitos intrínsecos, ou seja, prazer e procriação
Parece-nos que há uma norma natural que visa a perpetuação das espécies, pois, une-se (em todo o meio animal) um gameta macho a um gameta fêmea, de mesma espécie, para que seja possível procriar. Essa lei da natureza não permite, por exemplo, que o cruzamento (ainda que possível) entre um jacaré e uma zebra gere descendentes. Ou, em outras palavras, um homem e uma galinha, ainda que possam realizar uma copulação, não podem, por meio desse ato sexual, dar origem a um novo ser. Mas, e quanto ao prazer sexual? há também uma norma natural que determine como e com quem possa ser desfrutado? Parece-nos que não, uma vez que isso pode ser obtido até mesmo numa autoestimulação genital. Desta forma, não existe nenhuma lei da natureza para esse aspecto da sexualidade humana. Portanto, deve tratar-se de uma decisão consciente do indivíduo; uma atitude racional. Outrossim, só nos resta dizer que, uma moral é que impõe certas "regras" nesse sentido. A partir daí, podemos nos deparar com a seguinte problemática, reflitamos: se um homem decide ter prazer no sexo com outro homem, ele não está indo contra sua natureza (como muitos podem preconceituosamente afirmar), porque, pelo visto, não há nenhuma lei natural que determine essa percepção. Ou, se é natural que o homem só possa sentir prazer sexual com a mulher e vice-versa, estes não poderiam chegar ao orgasmo de outras maneiras. Se considerarmos radicalmente o pensamento preconceituoso, citado acima, teremos a conclusão de que todo homem que pratica a masturbação também é homossexual, já que ao invés de sentir prazer sexual com uma mulher, o sente consigo mesmo, que é homem. Em contrapartida a isso, podemos pensar que não há nenhum mal (se é disso que a moral quer nos defender) em o ser humano ter a liberdade de decidir com quem deseja sentir prazer sexual, até por que, não está, fundamentalmente atrelada a isso, a nossa instintiva perpetuação da espécie; embora, as duas coisas possam ser conciliadas.