quarta-feira, 30 de março de 2011

ACEITA UMA PROFECIA?

De tempos em tempos surge na história alguma revelação - algo como um registro que ostenta  a predição de eventos futuros. Fato ou não, muitos deles não chegam a acontecer: é o caso das vezes em que fora anunciado um suposto 'fim dos tempos'. (Essa, os profetas ou os interpretadores dos registros deixados por aqueles, vivem errando feio.) Mas, há casos em que eventos observados no mundo parecem corresponder nitidamente a antevisões desse tipo, e aí, não tarda para aparecer os adeptos das chamadas profecias. Nesse ponto, consideremos a relevância de trabalharmos um exemplo notório: o dos cristãos. Eles, em geral, costumam validar o conteúdo bíblico - sua veracidade e 'sacralidade' - com base em alguns acontecimentos no mundo que, segundo eles, tem nítida relação com o texto canônico, afirmando que as profecias têm se cumprido. Ora, o que na verdade fazem, só pode se tratar de uma análise retroativa, em que, feito um recorte entre bilhões de bilhões de eventos no mundo, busca-se um paralelo ao que fora dito por aqueles escritores, ou seja, ninguém leva em conta a imensurável quantidade de eventos que não foram 'preditos'. No caso, nem precisamos mencionar que a maioria dessas previsões não estabelece datação para a ocorrência dos eventos, e sendo assim, talvez valha lembrar que, em se tratando de tempo indefinido, é também indefinido o número de fatos possíveis de ocorrer, o que deste modo, facilita muitíssimo a relação entre o que é previsto e o que de fato acontece. Esses mesmos cristãos advogam também que uma análise do Novo Testamento revela o cumprimento de profecias encontradas no Velho Testamento. No entanto, sabe-se que os escritores do Novo Testamento tiveram acesso às escrituras hebraicas, e por isso mesmo, nada os impedia que simplesmente criassem narrativas, às quais pudessem ter alguma equivalência com o que já se conhecia (na verdade, é possível que, exatamente, esse tenha sido o critério de seleção dos Evangelhos entre tantas versões da história cristã contemporânea disponíveis à época do Concílio de Nicéia: a sua concordância com o Velho Testamento). Enfim, voltemos à questão inicial com a seguinte reformulação: Seria possível que as chamadas profecias e sua relação com os fatos no mundo fosse apenas coincidências?
Circula na internet um e-mail que relaciona objetos e pessoas dos EUA ao terrível ataque terrorista de 11 de Setembro. Nele, é apresentado, por exemplo, as duas faces de uma nota de vinte dólares, que, dobrada, revela incrivelmente as imagens do Pentágono e das Torres Gêmeas pegando fogo, e ainda, da mesma maneira, aparece a palavra Osama numa das extremidades da cédula. Além disso, há cerca de outras dez correlações a esse evento, envolvendo lugares e nomes de presidentes daquele país. O que se pode dizer nesse caso? que havia predições sobre o funesto acontecimento? Parece-nos improvável, não é mesmo? De fato, se dispusermos de tempo suficiente para uma análise retroativa minuciosa, encontraremos não uma dúzia de equivalências, mas muitas outras. Do mesmo modo, poderíamos elencar milhares de não-equivalências, isto é, inúmeros aspectos em que não se encontra qualquer paralelo entre o evento e esses objetos e pessoas. Pensando bem, são infinitamente maiores os casos de não-coincidências em comparação ao que coincide, mas, nós, seres humanos, temos a tendência de nos apercebermos e darmos destaque para eventos que encontram algum tipo de correspondência no mundo. Vejamos estes outros casos:  1- Toda vez que Thaís atrasa do seu horário normal de voltar para casa à noite, depois da faculdade, sua mãe pensa ter acontecido algo com ela e se aflige com essa hipótese, mas, para conforto dela, a filha sempre chega bem, dizendo ter havido somente dificuldades com o transporte público. Observem que, no dia que vier, e se vier a acontecer um incidente com a jovem, a mãe invariavelmente sentirá e/ou declarará que teve uma espécie de predição, ou presságio daquele evento. 2- Amarildo é um enfermeiro de 40 anos; toda noite ele tem sonhos, sempre variados, múltiplos e desconexos - como a maioria de nós. No dia que sua esposa sofre um grave acidente no trânsito e vem a falecer, ele prontamente correlaciona o fato a um sonho que tivera na noite anterior, no qual socorria uma bonita mulher gravemente ferida numa batida de automóvel. Ora, enquanto esse incidente não ocorreu, Amarildo nunca fazia menção dos sonhos (talvez nem pudesse se recordar deles com exatidão), mas, no momento em que, porventura, um só sonho coincidiu com um evento significativo para ele no mundo real, Amarildo não hesitou em traçar um paralelo de equivalência entre eles, e naturalmente conjecturou tratar-se de uma antevisão, previsão ou predição da morte de sua bela esposa.
Então, chamamos a atenção para essa nossa absurda capacidade de selecionar e correlacionar eventos - apontamos coisas extraordinárias que, de fato, não passam de casualidades (pense por outro lado na infinidade de acontecimentos do mundo real, inclusive simultâneos, que poderiam ser associados diretamente aos sonhos do enfermeiro, mas que, de maneira simples e automática, foram descartados, uma vez que não seriam relevantes para o sonhador em questão). Reunindo esses poucos argumentos (teríamos muitos outros para descrever, os quais, porém, fariam este post longo e cansativo) é que argüimos sobre a aceitação de profecias. Portanto, fiquemos atentos, no próximo ano (2012), caso haja qualquer acontecimento catastrófico, este será, sem sombra de dúvida, o fatídico cumprimento da 'Profecia Maia' - nas bocas e mentes 'inocentes'. (Essa podemos “profetizar"...)

quarta-feira, 16 de março de 2011

GOSTO NÃO SE DISCUTE?

Já se perguntou por que você gosta do que gosta? Será que existe alguma coisa impelindo ou determinando nossos gostos pessoais? Paremos pra pensar: se eu tivesse nascido e vivido na África, eu iria gostar das mesmas coisas que gosto hoje? É muito provável que não, até porque o que temos disponível aqui difere, em grande parte, do que é disponível lá. Pelo mesmo motivo, é razoável dizer que se tivéssemos nascido no Século IX nossos gostos seriam completamente adversos dos atuais: coca-cola e games (naquela época sequer poderiam ser mencionados). É fácil perceber, então, que nossos gostos são diretamente moldados pela localização geográfica e tempo histórico aos quais nos integramos. Mas nisso, vai ainda outros fatores que devem influenciar-nos:  por exemplo, a cultura nacional. Os valores cultivados por anos a fio em um grupo social tendem a cercar e conduzir os indivíduos nascidos naquela sociedade, e manipular, ainda que despretensiosamente, suas escolhas.
Parece justo assimilarmos a idéia de gostar de algo com a idéia de escolha, haja visto que, tanto quanto pudermos, escolheremos aquilo que gostamos. Entretanto, nem tudo que podemos gostar, nós podemos escolher: voar livremente como um pássaro pode ser o gosto de alguém, mas não pode ser sua escolha, do mesmo modo,  não gostar de se preocupar com alimentação, ou não precisar se alimentar (e ainda assim continuar vivo) poderia ser o desejo de alguém, mas não pode ser sua opção. Se formos mais a fundo nessa linha de raciocício, veremos que nossa liberdade de escolha é mínima ou nenhuma, pois ela estará sempre limitada à opções já dispostas para nós, de antemão. E aqui esbarramos na controvertida noção de livre-arbítrio cunhada pela religião cristã,  mas esse é assunto pra outro post.  A propósito, se você fosse indiano você escolheria cultuar o deus cristão? Bem, pelo visto estamos discutindo aquilo que o senso comum diz que não se pode discutir, não é mesmo? Em contrapartida, para os filósofos tudo é discutível por todos. E isso, não com propósito em si mesmo, mas, como recurso para ampliar saberes; um método de busca da verdade; ou simplesmente para nos nos encontrar. É como diz uma das analogias  do filósofo Jostein Gaarder: somos como peças de Lego tentando se encaixar umas nas outras - e buscamos desesperadamente achar algum sentido nisso.