quarta-feira, 16 de março de 2011

GOSTO NÃO SE DISCUTE?

Já se perguntou por que você gosta do que gosta? Será que existe alguma coisa impelindo ou determinando nossos gostos pessoais? Paremos pra pensar: se eu tivesse nascido e vivido na África, eu iria gostar das mesmas coisas que gosto hoje? É muito provável que não, até porque o que temos disponível aqui difere, em grande parte, do que é disponível lá. Pelo mesmo motivo, é razoável dizer que se tivéssemos nascido no Século IX nossos gostos seriam completamente adversos dos atuais: coca-cola e games (naquela época sequer poderiam ser mencionados). É fácil perceber, então, que nossos gostos são diretamente moldados pela localização geográfica e tempo histórico aos quais nos integramos. Mas nisso, vai ainda outros fatores que devem influenciar-nos:  por exemplo, a cultura nacional. Os valores cultivados por anos a fio em um grupo social tendem a cercar e conduzir os indivíduos nascidos naquela sociedade, e manipular, ainda que despretensiosamente, suas escolhas.
Parece justo assimilarmos a idéia de gostar de algo com a idéia de escolha, haja visto que, tanto quanto pudermos, escolheremos aquilo que gostamos. Entretanto, nem tudo que podemos gostar, nós podemos escolher: voar livremente como um pássaro pode ser o gosto de alguém, mas não pode ser sua escolha, do mesmo modo,  não gostar de se preocupar com alimentação, ou não precisar se alimentar (e ainda assim continuar vivo) poderia ser o desejo de alguém, mas não pode ser sua opção. Se formos mais a fundo nessa linha de raciocício, veremos que nossa liberdade de escolha é mínima ou nenhuma, pois ela estará sempre limitada à opções já dispostas para nós, de antemão. E aqui esbarramos na controvertida noção de livre-arbítrio cunhada pela religião cristã,  mas esse é assunto pra outro post.  A propósito, se você fosse indiano você escolheria cultuar o deus cristão? Bem, pelo visto estamos discutindo aquilo que o senso comum diz que não se pode discutir, não é mesmo? Em contrapartida, para os filósofos tudo é discutível por todos. E isso, não com propósito em si mesmo, mas, como recurso para ampliar saberes; um método de busca da verdade; ou simplesmente para nos nos encontrar. É como diz uma das analogias  do filósofo Jostein Gaarder: somos como peças de Lego tentando se encaixar umas nas outras - e buscamos desesperadamente achar algum sentido nisso.

4 comentários:

  1. Ainda que haja opções pré-determinadas e numericamente limitadas no meio em que o 'Ser' se encontra, é possível que seu perfil o impulsione a buscar para si 'gostos' que estão além de seu espaço-limite, considerando, porém, as medidas do planeta Terra. Os avanços tecnológicos diminuem as "distâncias", inclusive as culturais. O Ser pode assim ter mais contato com culturas bem distintas daquela que em está situado e então aderir 'gostos' que não fazem parte de seu espaço-limite. Mesmo quando o assunto é tempo-limite podemos pensar nas possibilidades bem mais elevadas que há de um morador do Acre de 2011 ter acesso à arte musical de Bach, do havia no século XVII... talvez o "livre-arbítrio do gosto" seja hoje mais válido...

    ResponderExcluir
  2. Eu gostaria de comer muitas coisas gostosas e não engordar.....gostaria de trabalhar só quando quisesse e ainda assim receber meu salário...e por aí vai...rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Opinião e questionamentos:

    E uma pessoa que admira o trafico de drogas, armas, gosta do poder dos lideres criminosos? E coisas muito mais terríveis (não duvido que existem pessoas assim, basta ver tv). Pessoas sociáveis, amigáveis, normais (até que você descubra esse lado negro e tenha uma visão diferente). Será que gosto não se discute? O gosto (ou desgosto) leva a uma ação, essa ação pode ser rejeição ou aceitação (busca). E aí? como convencer alguém a abandonar essas idéias?

    Essas pessoas tem argumentos e estão convencidos da impunidade, ou aliás, não é nem questão de ter coragem de enfrentar algo (uma barreira, ultrapassar a linha entre o bem e o mal para a sociedade) mas é também a falta desse algo, a falta de noção.

    No entanto, o que pode ou não ser justificado? qual a relação entre justificativa e razão? razão e justiça? justiça e igualdade? Que igualdade? já que gosto não se discute? Será que vamos viver esse conflito eterno, entre não saber e saber fazer o que é certo? Acho que o convívio, liberdade de expressão são o lado bonito para uma série de brechas, são recursos para que aquilo que não é adequado ganhar espaço.

    Cada um defende a sí... egoísmo...

    Até onde uma justificativa é justa ou certa?

    Engraçado, quando o Datena (sensasionalista, que usa tragédias não para formar opnião e conscientizar, transformar, mudar, curar a sociedade, mas para ganhar audiência, com gritaria, choro, choque) pergunta: "o que esse bandido merece? pena de morte? prisão perpétua?" eu penso, "merece o mesmo que o Datena, saír da televisão e dar espaço para o que preste". Mas a população prefere se alienar... Bom, crie um texto a respeito, que o mundo se torne melhor.

    ResponderExcluir
  4. Desculpa o meu parco entendimento, Sr. Anônimo.. compreendi muito pouco a sua explanação.. =/

    ResponderExcluir

Insira seu comentário aqui